Muertes en prisión preventiva en Brasil. Prisiones que matan; muertes que importan poco

  • Luiz Antônio Bogo Chies Posgrado en Política Social y Derechos Humanos de la Universidad Católica de Pelotas, Brasil
  • Bruno Rotta Almeida Maestría en Derecho de la Universidad Federal de Pelotas, Brasil
Palabras clave: cuestión penitenciaria, muertes, violencia

Resumen

Los objetivos de este artículo son presentar un panorama de las muertes bajo custodia penitenciaria en Brasil y avanzar en la comprensión de las trayectorias punitiva y penitenciaria del país, dirigidas por el “hacer matar/dejar morir”. Se parte de la premisa de que las muertes bajo custodia penitenciaria son siempre violentas y de responsabilidad del Estado. Los datos reflejan los desafíos epistemológicos y metodológicos relativos a un objeto de estudio que es invisibilizado por los propios gobiernos. La investigación se inserta en la agenda de la Red Cono Sur de Investigación en Cuestión Penitenciaria (Argentina, Brasil y Uruguay), comprometida con el desvelamiento científico de la cuestión penitenciaria en la región.

Citas

Almeida, B. R. e G. C. Massaú (2015). A normalidade do desumano: a banalidade do mal no sistema penitenciário brasileiro. Derecho y Cambio Social, 41, pp. 1-16.

Almeida, B. R. e G. C. Massaú(2017). A arte de governar o mal e a gramática do desumano no sistema penitenciário brasileiro. Revista Crítica Penal y Poder, 13, pp. 167-184. [

Alvarez, M. C. (2003). Bacharéis, criminologistas e juristas: saber jurídico e a nova escola penal no Brasil. São Paulo: Método/IBCCrim.

Chies, L. A. B. (2013). A questão penitenciária. Tempo Social, 25(1), pp. 15-36.

Coelho, E. C. (2005). A oficina do diabo e outros estudos sobre criminalidade. Rio de Janeiro: Record.

Comissão Interamericana de Direitos Humanos (2000). Relatório n.º 34/00. Disponível em: . (acesso: 30/05/2018). [ Links ]

Comissão Interamericana de Direitos Humanos (2003). Relatório n.º 40/03. Disponível em: . (acesso: 30/05/2018).

Conselho Nacional do Ministério Público (2013). A visão do Ministério Público brasileiro sobre o sistema prisional brasileiro. Brasília: CNMP.

Conselho Nacional do Ministério Público (2016). A visão do Ministério Público brasileiro sobre o sistema prisional brasileiro 2016. Brasília: CNMP .

Delgado, M. (2017). Brasil tem pelo menos 83 facções em presídios. Disponível em: . (acesso: 30/05/2018).

Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) (2015). Levantamento Nacional de Informações Penitenciária Infopen , junho de 2014. Brasília: Ministério da Justiça.

Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) (2017). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias: Infopen. Atualização junho de 2016. Brasília: Ministério da Justiça .

Feltran, G. (2018). Irmãos: uma história do PCC. São Paulo: Companhia das Letras.

Folha de São Paulo (2017). Saiba quais foram algumas das maiores rebeliões em presídios do Brasil. Folha de São Paulo (en línea), 2 de janeiro. Disponível em . (acesso: 30/05/2018).

Foucault, M. (2008). Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2010). Em defesa da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes .

Porto, M. S. G. (2010). Sociologia da violência. Brasília: Verbana/Francis.

Gual, R. (2016). “La muerte bajo custodia penal como objeto de investigación social: una perspectiva regional”. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito de Pelotas, 2(2), pp. 29-48.

Holloway, T. (2009). O calabouço e o Aljube do Rio de Janeiro no século XIX. Em C. N. Maia (2009). História das prisões no Brasil-V 1. Rio de Janeiro: Rocco, pp. 253-281.

Lima, R. K. (1989). Cultura jurídica e práticas policiais: a tradição inquisitorial. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 4(10), pp. 65-84.

Lima, R. K. (2013). Sensibilidades jurídicas, moralidades e processo penal: Tradições judiciárias e democracia no Brasil contemporâneo. Revista de Estudos Criminais, 11(48), pp. 7-33.

Manso, B. P. e C. N. Dias (2017). PCC, sistema prisional e gestão do novo mundo do crime no Brasil. Revista Brasileira de Segurança Pública. 11(2), pp. 10-29.

Manso, B. P. e C. N. Dias (2018a). Tecendo redes criminais: as políticas de encarceramento e a nacionalização das facções prisionais. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2014 a 2017. Edição especial 2018, pp. 6-8.

Manso, B. P. e C. N. Dias (2018b). A guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil. São Paulo: Todavia.

Marques, A. (2018). Humanizar e expandir: uma genealogia da segurança pública em São Paulo. São Paulo: IBCCRIM.

Misse, M. (2010). Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova, 79, pp. 15-38.

Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura-Brasil (2016). Relatório Anual 2015-2016. Brasília.

Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura-Brasil (2017). Relatório Anual 2016-2017. Brasília.

Neder, G. (2000). Iluminismo jurídico-penal luso-brasileiro: obediência e submissão. Rio de Janeiro: Freitas Bastos.

Organização Mundial da Saúde (OMS) (2002). Relatório Mundial sobre violência e saúde. Genebra: OMS.

Pedroso, R. C. (2002). Os signos da opressão: história e violência nas prisões brasileiras. São Paulo: Imprensa Oficial.

Procuraduría Penitenciaria de la Nación (2017). Las muertes bajo custodia son siempre responsabilidad del Estado. Disponível em: . Postado em 06 de março de 2017.

Salla, F. (1999). As prisões em São Paulo: 1822-1940. São Paulo: Annablume.

Salla, F. (2006). As rebeliões nas prisões: novos significados a partir da experiência brasileira. Sociologias, 8(16), pp. 274-307.

Santos, M. S. (2004). A prisão dos ébrios, capoeiras e vagabundos no início da Era Republicana. Topoi, 5(8), pp. 138-169.

Santos, M. S. (2006). Os porões da República: a colônia correcional de Dois Rios entre 1908 e 1930. Topoi, 7(13), pp. 445-476.

Silva, L. A. M. (2004). Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e Estado, 19(1), pp. 53-84.

Sinhoretto, J. (2014). Controle social estatal e organização do crime em São Paulo. Dilemas, 7(1), pp. 167-196.

Souza, J. (2009). Ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Souza, J. (2012). A construção social da subcidadania: para uma sociologia política da modernidade periférica. Belo Horizonte: Editora UFMG .

Souza, J. (2017). A elite do atraso: da escravidão à Lava-Jato. Rio de Janeiro: Leya.

Teixeira, A. (2009). Prisões da exceção: política penal e penitenciária no Brasil contemporâneo. Curitiba: Juruá.
Publicado
2019-10-10
Cómo citar
Bogo Chies, L. A., & Rotta Almeida, B. (2019). Muertes en prisión preventiva en Brasil. Prisiones que matan; muertes que importan poco. Revista De Ciencias Sociales, 32(45), 67-90. https://doi.org/10.26489/rvs.v32i45.3